Radio Papo Cabeça

Radio Papo Cabeça
Informação com Responsabilidade

Tradutor Online

segunda-feira, novembro 17, 2014

SISTEMA DE GESTÃO FINANCEIRA MARKKAR

A markkar é uma empresa fundada em 2004 com o objetivo de oferecer aos empresários, uma metodologia eficaz em sua funcionalidade operacional financeira, com uma apuração objetiva e precisa de seus resultados. http://markkar.com.br/ contato em Imperatriz (99) 9125-5848 (99) 81495455 (99) 81234824 - Whatsapp.
SISTEMA MARKKAR
- Auditoria financeira preventiva 
- Resultados por filial, seção e unidade de produção
- Resultados acumulados no exercício
- Ranking entre filiais
- Orçamento x Realização
- Fluxo de caixa (Previsto x Realizado)
- Planejamento econômico

ORGANIZAMOS
- Movimentações financeiras
- Movimentações de vendas
- Contas a receber
- Contas a pagar
- Controle de estoque
APURAMOS
- Lucratividade no negócio
- Custos operacionais e não operacionais
- Pontos de Equilíbrio
- Limites de compras
- Diagnóstico da situação financeira
ORIENTAMOS
- Metas de vendas
- Limitação de custos
- Logística no circuito de documentos
- Objetividade nos resultados
- Recursos junto a instituições financeiras
- Qualificação profissional
RAMOS DE ATUAÇÃO
Temos uma significativa relação de clientes e parceiros distribuídos em vários ramos de atividades, indústria, comércio e serviços:
- Agricultura - Artesanato - Auto Center - Auto Peças - Cerâmica - Clínica Dentária - Clínica Médica - Colégios / Cursos - Construção Civil - Confecção - Design de Interiores - Entretenimento - Eventos Gastronômicos - Gráfica - Hospital - Instalações Comerciais - Instrumentos Musicais - Instituições Religiosas - Mecânica - Móveis e Eletrodomésticos - Ótica - Química - Restaurante - Retífica - Som e Iluminação - Torqueamento - Turismo - Vestuário Masculino - Vestuário Feminino - Vestuário Infantil - Vidraçaria e adequações a outros modais.

sábado, outubro 04, 2014

sexta-feira, setembro 19, 2014

INAUGURAÇÃO DO CARTÓRIO - MELHORES MOMENTOS

ESSES SÃO OS MELHORES MOMENTOS DO EVENTO DE INAUGURAÇÃO DA NOVA SEDE DO CARTÓRIO DO 6º OFÍCIO DE IMPERATRIZ

sexta-feira, setembro 12, 2014

O LÍDER SAMURAI

Prof. Antônio Madiflavio Oliveira Ferreira – www.globalmidia.ppg.br - globalmidia.imperatriz@gmail.com
(99)3528-2576, (99)9125-5848, (99)81495455

Os japoneses nos fascinam com suas história e mitos, além de seu exemplo de liderança e foco na qualidade, mas uma de suas tradições que mais nos chama atenção é a tradição “Samurai” que é uma das responsáveis  por todos os ritos existentes no Japão atual.
Os samurais (em japonês “aquele que serve”) formavam a classe guerreira do Japão feudal (ou bushi). Esta classe tinha um grande status social durante o governo militar conhecido como xogunato.
Em 1868, com a restauração meiji eles deixaram de existir como classe, quando o imperador retomou o controle do país. Os samurais observavam um código de honra não-escrito, conhecido como Bushido (caminho do guerreiro), que prezava a honra, a lealdade e a integridade por toda a vida, e que era baseado em algumas virtudes que podem ser aplicadas até hoje por um bom gestor. 
Essas virtudes se dividem em 4 G’s que podem ser aplicados às pessoas que desejam se tornarem um líder de sucesso em nossos dias atuais.
       Giri: (obrigação, dever, justiça), um forte laço que une as pessoas. 
  Gisei: (sacrifício), representa a dedicação ao trabalho, mesmo afastando-se da família temporariamente. 
  Gaman: (tolerância, perseverança, resistência), é aguentar aquilo que pode parecer insuportável. 
  Gambaru: (esforço, persistência), a capacidade de se envolver de forma profunda e determinada, manter-se firme e forte. Características obrigatórias de um bom gestor.

Para se tornar um guerreiro samurai digno e honrado é necessário além dessas virtudes passar por um processo de transformação interna e buscar trilhar “O Caminho do Guerreiro” que tem como base os seguintes passos.

1.       Ken (visão)  e  Kan  (conhecimento): Através de uma visão de futuro, clara e significativa, a pessoa pode vislumbrar melhor suas possibilidades que, junto com o conhecimento do contexto e dos detalhes ajudam a tomar as decisões mais sábias. Podemos fazer um paralelo com o conhecimento da estratégia da organização e com o conhecimento do ambiente interno e externo.
2.       Kaizen (melhoria contínua): Um samurai está sempre treinando e buscando a perfeição para ser um guerreiro melhor hoje do que foi ontem. Esse é um conceito amplamente difundido entre os praticantes da qualidade total nas empresas e aplicado por meio dos 5s. “O que não é medido está aderiva”  kaoro Ishikawa

3.       Mu (desprendimento): O desapego, que tem raízes na cultura Zen budista, influenciadora do bushido. Prega que os interesses do grupo devem prevalecer, não os do indivíduo. Ter um líder que põe seus interesses próprios acima dos interesses da empresa é determinar o seu fracasso e desagregação.
4.       jinkaku (Caráter): Outro princípio herdado da filosofia Zen budista, a ideia de que o trabalho deve ser visto como uma forma de engrandecer o caráter.
5.       Mushin (atitude mental): Segundo o código dos samurais “é difícil derrotar os inimigos; é fácil derrotar a si mesmo”. Assim, todo treinamento era focado no autoconhecimento, que gerava a autoconfiança e, por consequência, a segurança na tomada de decisão em momentos de crise e dificuldade. Há muitas referências na cultura oriental a respeito do auto conhecimento. Sun Tzu já havia falado sobre a importância dele em “A arte da guerra”, muito antes de existirem os samurais. Atualmente, o conhecimento das próprias fraquezas e forças é determinante para o sucesso de um gestor.
6.       Amae (confiança): O samurai acredita, antes de tudo, que as pessoas, de forma geral são boas e honestas. O pressuposto básico de todo relacionamento humano é a confiança. Compartilhar refeições, trocar presentes, participar de fases da vida são formas de construir o “amae”.
7.       Ue (habilidades escondidas): Ao contrário do que acontece na cultura ocidental, para os orientais é comum manter-se escondido, mantendo um perfil modesto, restrito, contido e reservado, sem vangloriar-se ou exibir-se deliberadamente, deixando para revelar suas forças e habilidades no momento apropriado e de forma estratégica.
8.       Haragei (intuição, ou “pensar com o estômago”): Entre os orientais, a intuição é fundamental aos seus instintos. Era um dos traços de famosos empresários japoneses, como Konosuke Matsushita, Soichiro Honda ou Akio Morita compartilhavam. A observância aos detalhes, a visão holística, o conhecimento tácito e a disciplina constante na educação fazem parte deste preceito.
9.       Henman (harmonia): Desde as artes marciais, cerimônias, artes, tudo na cultura japonesa baseia-se no equilíbrio e na harmonia. Nos negócios, a paciência é uma virtude que se traduz em longas rodadas de negociação e a busca da compreensão da posição do outro ajuda a encontrar soluções.

O que fazer para ser um grande líder seguindo o caminho do guerreiro?
Provoque o surgimento permanente de boas ideias no ambiente de trabalho
Não basta ter somente uma boa ideia é necessário transformar essa ideia em uma oportunidade real de negócio que gere lucro para a empresa, ideia sem resultado é o mesmo que avião sem     voar não serve para nada, e toda ideia possui um ciclo de ida útil.

       Pesquise e Desenvolva novas ideias sempre
       Implante faça acontecer não deixe ficar no mundo da fantasia
       Crescimento bem acompanhado é um passo importante para o sucesso de uma ideia.
       Estabilização controlada é o principal objetivo mas evitando o comodismo
       Morte identificada antecipadamente toda ideia tem um tempo de vida determinado e o líder tem de visualizar esse final e já criar uma nova estratégia para evitar a morte fazendo-a renascer.

Tenha atitudes de grandes lideres

       Comprometido em tudo que faz.
       Autodidata não espera entrar em um curso para aprender busca conhecimento permanentemente.
       Auto motivado não depende dos outros para gerar a força necessária para agir.
       Auto crítico faz uma avaliação de si mesmo e de suas ações o tempo todo buscando sempre a melhoria continua.
       Possui auto conhecimento pessoas de seus pontos fortes e seus pontos fracos.
       Autônomo age com pró atividade e assertividade.
       Autoconfiante mas humilde sem si achar acima das outras pessoas.
       Visão estratégica continua focada em seus objetivos.
        
Arigato Gozaimashitá

         Fontes de pesquisa
                   Sites 
www.bushido-online.com.br
www.niten.org.br
Filmes
O Ultimo Samurai
Pearl  Harbor



quinta-feira, agosto 07, 2014

A Importância das Micros e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Brasil.


Ricardo Neves dos Santos - Administrador de Empresas
https://www.facebook.com/riccardoneves
Graduado em Administração de Empresas pela Universidade do Tocantins- UNITINS
Pós Graduado em Gestão em Novas Tecnologia pela Universidade Luterana do Brasil- ULBRA
Assessor Parlamentar da Federação das Indústrias do Estado do Tocantins- FIETO
Membro do Fórum Permanente das Micros e Pequenas Empresas do Estado do Tocantins
Membro do Fórum Permanente das Micros e Pequenas Empresas da Secretaria da Micro e Pequena Empresa em Brasília.
As micro e pequenas empresas  instaladas no país, tem um forte papel, principalmente na alavancagem do crescimento do País.Os pequenas negócios que estão aberto, são fundamentais para fomentar o desenvolvimento dos estados federados , o que vem contribuindo  para um aumento na arrecadação e na geração de emprego e renda.
O papel das micros e pequenas empresas é importante para redução da desigualdade social, sendo a principal mola para geração de emprego no país, isso demonstra a capacidade de expansão, associadas ás um espírito empreendedor da sociedade mesmo diante da alta carga tributária e da enorme burocracia que impende a criação de novos negócios no país.Não basta somente ter a vontade de abrir um negócio, é necessário a habilidade e a criatividade de viver em ambientes altamente complexos e desafiador, com altas taxas de juros,concorrência feroz, burocracia e falta de  maior apoio governamental para MPES.
Para que o setor possa está continuamente expandindo suas operações são necessários mecanismos que permitam que as MPEs, possam ter vantagens competitivas em relação ás grandes empresas, principalmente quanto a expansão do crédito, bem como linhas especiais de financiamento, associadas às garantias, de modo que o governo proporcione  condições para que essas empresas possam buscar melhores condições de empréstimos visando financiar sua produção e seus serviços.
As micro e pequenas empresas são responsáveis pela grande maioria  dos empregos  formais em todo o País, segundo os dados do BNDS, mais de  13 milhões de trabalhadores, demonstrando  a importância de investimento nas MPES,associados a políticas publicas  voltada para esse setor, visando aumentar a forca e  a capacidade de crescimento dessas empresas.Diante do cenário, para que o país possa ter empresas competitivas, seria necessário um melhor tratamento paras as  Micros e Pequenas, uma carga tributária menor, uma política de incentivo que atenda com maior amplitude os anseios do setor, bem como realizar uma política de desburocratização ainda maior e  que facilite a abertura e o fechamento das MPES, associada a uma política de Estado que possa enxergar as Micros e Pequenas como a mola propulsora para o desenvolvimento do Brasil.



domingo, março 23, 2014

CONGRESSO BRASILEIRO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

Congresso vai reunir microempresários de todo o Brasil em Pernambuco

No próximo dia 3 acontece o XIX Congresso Brasileiro de Micro e Pequenas Empresas e o XV Congresso Estadual de Micro e Pequenas empresas de Pernambuco. No dia 3 de abril, o evento tem lugar no Teatro Guararapes, Centro de Convenções de Pernambuco. No dia 4 de abril a programação segue no Hotel Jangadeiro, em Boa Viagem, e é fechada para lideranças ligadas aos SistemaCOMICRO/FEMICRO/AMICRO. 


 José Tarcísio da Silva - Pres. COMICRO

Segundo o presidente da COMICRO, José Tarcísio da Silva, o XIX Congresso trará reflexões sobre os avanços e os desafios a serem enfrentados, principalmente num momento de grandes oportunidades. “Para que essas oportunidades se tornem realidade é preciso que haja apoio, divulgação e maior aproximação e conhecimento destes empresários dos benefícios que a lei lhes oferta.” O XIX Congresso fará homenagem à políticos, que fizeram parte da Frente Parlamentar Mista das Micro e Pequenas Empresas, por sua determinante ação na promoção dos interesses do segmento que é o de maior capacidade de inclusão econômica e social do país. Na programação, assuntos como os sete anos da Lei Geral das MPEs, ações transformadoras para os pequenos negócios, a revolução do empreendedorismo individual no Brasil e a Inclusão Empreendedora de Jovens. Palestrantes de peso estarão presentes no evento, entre eles, o Senador Armando Monteiro Neto (PTB/PE), o Ministro-Chefe da Secretaria da Micro e Pequena Empresa Guilherme Afif Domingos e o Gerente de Políticas Públicas do Sebrae/NA, Bruno Quick. 

Ministro Afif Domingos estará no Recife para palestrar em Congresso da Microempresa

O ministro Guilherme Afif Domingos estará no Recife, no dia 3 de abril, para realizar palestra no XIX Congresso Brasileiro de Micro e Pequenas Empresas e XV Congresso Estadual de Micro e Pequenas empresas de Pernambuco, sobre ‘Proposta de Ações Transformadoras para as Microempresas’.


"Steve Jobs disse que fazer o simples é muito complexo e fazer o complexo é simples, é só não pensar. A burocracia no Brasil não pensa. " Essa é a opinião do ministro da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República, Guilherme Afif Domingos. Para o ministro, existem ações transformadoras que são fundamentais para o desenvolvimento dos pequenos negócios no Brasil: desoneração tributária, e a desburocratização da abertura e fechamento de empresas. Só assim, segundo ele, será possível dar competitividade aos pequenos empreendedores, com a ampliação de mercados, redução de custos e aumento da lucratividade.

Senador Amando Monteiro confirma presença no congresso da Microempresa para falar sobre os 7 anos da Lei Geral das MPEs

O senador Armando Monteiro Neto (PTB/PE) estará no XIX Congresso Brasileiro de Micro e Pequenas Empresas e XV Congresso Estadual de Micro e Pequenas empresas de Pernambuco, no dia 3 de abril, para palestrar sobre os sete anos de vigência da Lei Geral das MPEs.


A Lei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte foi instituída em 14 de dezembro de 2006 (Lei Complementar Federal 123/2006) para regulamentar o disposto na Constituição Brasileira, que prevê o tratamento diferenciado e favorecido à microempresa e à empresa de pequeno porte. A Lei Geral uniformizou o conceito de Micro e Pequena Empresa ao enquadrá-las com base em sua receita bruta anual. A Microempresa deve ter a receita bruta igual ou inferior a R$ 360.000,00. Se a receita bruta anual for superior a R$ 360.000,00 e igual ou inferior é R$ 3.600.000,00, a sociedade será enquadrada como Empresa de Pequeno Porte. Estes valores referem-se a receitas obtidas no mercado nacional. Também foi criado o Microempreendedor Individual, que é pessoa que trabalha por conta própria e se legaliza como pequeno empresário optante pelo Simples Nacional, com receita bruta anual de até R$ 60.000,00. O Microempreendedor pode possuir um único empregado e não pode ser sócio ou titular de outra empresa.
Projeto modifica a lei
O relatório final dos projetos que modificam o Estatuto da Micro e Pequena Empresa foi aprovado, por unanimidade, no último dia 11 de dezembro, na comissão especial criada pela Câmara dos Deputados para analisar a matéria. As modificações são muito positivas para os empreendedores brasileiros. e focam na desburocratização e fomento dos pequenos negócios. O texto aprovado é o substitutivo do relator, deputado Cláudio Puty (PT-PA), aos Projetos de Lei Complementar 221/12 e 237/12. Com a aprovação na comissão especial, a proposta segue agora para votação no Plenário da Câmara, possivelmente, ainda em 2014.
Gerente de Políticas Públicas no Sebrae/NA, Bruno Quick, estará no Congresso da Microempresa para falar sobre a revolução do empreendedorismo individual

O Gerente de Políticas Públicas no Sebrae Nacional, Bruno Quick, estará no XIX Congresso Brasileiro de Micro e Pequenas Empresas e XV Congresso Estadual de Micro e Pequenas empresas de Pernambuco para realizar palestra sobre a revolução dos MEIs no Brasil.


Uma revolução silenciosa tem transformado a vida de milhões de pequenos empreendedores que não tinham condições de formalizar seus negócios. Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um microempreendedor individual, é necessário faturar no máximo até R$ 60.000,00 por ano e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular. Os números são impressionantes, até 2015, o Brasil poderá ter quatro milhões de empreendedores individuais, alta de 37% ao ano, segundo Bruno Quick, gerente de Unidade de Políticas Públicas do Sebrae. Pesquisa do Sebrae aponta que 87% dos chamados MEIs desejam ampliar seus negócios e se tornar microempresários nos próximos anos, o que traz um potencial relevante tanto de geração de empregos, quanto de investimento na economia. “Em 2015, se chegarmos a quatro milhões de empreendedores, imaginemos que um milhão deles queira aumentar seus negócios e, para isso, contrate uma pessoa a mais. Teríamos um milhão de empregos gerados por esse público”, disse. Quick estimou que, se um em quatro empreendedores investisse R$ 1 mil para expandir sua atuação, poderia ser aplicado R$ 1 bilhão via esses empresários.
Pequenos empreendedores levam a recorde na criação de empresas em janeiro
O número de empresas criadas em janeiro deste ano – 160.348 empreendimentos – representou aumento de 8% sobre igual mês do ano passado, quando foram sido abertas 147.337companhias. O volume foi o maior já registrado na comparação entre empreendimentos abertos nos meses de janeiro desde 2010, informou o Indicador Serasa Experian de Nascimento de Empresas. Economistas da Serasa Experian atribuem o crescimento à formalização dos negócios no Brasil, puxada pelos microempreendedores individuais. Do total de empresas abertas, 74,2% são do grupo microempreendedores individuais, que registrou 119.019 processos de criação, com crescimento de 18,8% sobre janeiro do ano passado. 

Jovens brasileiros cada vez mais empreendedores

O jovem publicitário e dono da Plugcitários, Erickson Monteiro, estará no XIX Congresso Brasileiro de Micro e Pequenas Empresas e XV Congresso Estadual de Micro e Pequenas empresas de Pernambuco para realizar palestra sobre a inclusão empreendedora de Jovens. 


Eles têm segurança para arriscar, lembram vagamente o que é inflação, cresceram em meio às mais importantes inovações tecnológicas e em um mundo já cheio de mudanças sociais e entram no mercado sem a intenção de serem subordinados, mas de criar seus próprios negócios. São os jovens que lideram o ranking de empreendedores iniciais no Brasil, deixando de lado empregos vistos como ideais durante muito tempo — seguros e estáveis, em concursos públicos ou com carteira assinada — para investir em projetos com foco em maior qualidade de vida e realização profissional.  Conforme a pesquisa Global Entrepeneurship Monitor (GEM) 2013, realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) em parceria com o Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP), a faixa etária na qual se observa a maior frequência de empreendedores iniciais é a de 25 a 34 anos (21,9%). Aqueles entre 18 e 24 anos também têm papel importante no ranking e foram responsáveis pela criação de 16,2% das empresas no País no passado. A faixa etária classificada como juventude é razoavelmente subjetiva. A Organização das Nações Unidas (ONU) entende por jovens aqueles entre 15 e 24 anos. Já o Estatuto da Juventude brasileiro encara como população jovem indivíduos entre 15 e 29 anos. Fato é que a chamada Geração Y – pessoas nascidas a partir de 1978 até o final dos anos 1990 –, vista como individualista e comodista, vem mostrando que tem outros lados. A solução encontrada por muitos para se desenvolver de acordo com seus anseios é criar o próprio modelo de negócio, com gestão focada naquilo em que acreditam. 

Contatos: 
Telefone: 81-32221985
Karina Rocha : comunicacao@comicro.org.br 

Email

Onde já estive